Civilização humana será extinta caso a natureza não seja preservada, afirmam pesquisadores

Pesquisadores emitiram um aviso afirmando que a vida na Terra será insustentável aos seres humanos, caso não ocorram grandes mudanças comportamentais.

A única solução é retardar e impedir a destruição da vida vegetal da Terra, de acordo com um novo estudo. É a afirmação de que os seres humanos estão “enfraquecendo a bateria” do planeta.
"Você pode pensar na Terra como uma bateria que foi carregada lentamente ao longo de bilhões de anos", disse o principal autor do estudo, John Schramski, um professor adjunto na Faculdade de Engenharia da Universidade de Geórgia, nos EUA. “A energia do Sol é armazenada nas plantas e nos combustíveis fósseis, mas os seres humanos estão drenando energia muito mais rápido do que o tempo de reabastecimento”, disse.

De acordo com John, a Terra já foi uma paisagem estéril desprovida de vida e só depois de bilhões de anos que organismos simples evoluíram com a capacidade de transformar a luz do Sol em energia. Isto, eventualmente, levou a uma explosão de vida vegetal e animal que banhou o planeta com florestas exuberantes e ecossistemas extraordinariamente diversos.  Os cálculos do estudo, publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, baseiam-se nos princípios fundamentais da termodinâmica, um ramo da Física preocupado com a relação entre calor e energia mecânica.
A energia química é armazenada nas plantas, ou na biomassa, usada para alimentos e combustíveis, mas que também é destruída para dar espaço para a agricultura e expansão de cidades. Os cientistas estimam que a Terra continha cerca de 1.000 bilhões de toneladas de carbono na biomassa viva, há 2.000 anos. Desde aquela época, os seres humanos têm reduzido esse montante quase pela metade. Estima-se que pouco mais de 10% da biomassa foi destruída apenas no século passado. “Se não revertermos esta tendência, vamos finalmente chegar a um ponto em que a bateria da biomassa irá descarregar para um nível em que a Terra já não poderá sustentar a vida”, disse Schramski.

O trabalho de James H. Brown, da Universidade do Novo México, com Schramski, da UGA e David Gattie, um professor associado na Faculdade de Engenharia, mostra que a grande maioria das perdas vêm do desmatamento, acelerado pelo advento da agricultura mecanizada em larga escala e a necessidade de alimentar uma população em rápido crescimento. Quanto mais biomassa é destruída, o planeta tem menos energia armazenada, que ele precisa para manter teias alimentares complexas da Terra e saldos biogeoquímicos.

"À medida que o planeta se torna menos hospitaleiro e mais pessoas tem menos opções energéticas disponíveis, o padrão de vida e a própria sobrevivência se tornarão cada vez mais vulneráveis ​​a problemas como secas, epidemias de doenças e distúrbios sociais", disse Schramski.
Mesmo que os seres humanos não sejam extintos e a biomassa sobreviva, mesmo em níveis insustentáveis, a população vai diminuir drasticamente, e as pessoas serão forçadas a voltar à vida como caçadores-coletores ou horticultores simples, de acordo com o estudo. "Eu não sou um ativista ou ambientalista, minha formação e meu trabalho científico estão enraizados na termodinâmica. Estas leis são absolutas e incontestáveis. Nós temos uma quantidade limitada de energia de biomassa disponível no planeta, e assim que estiver esgotada, não há absolutamente nada para substituí-la”, disse Schramski

Ele e seus colaboradores estão esperançosos de que o reconhecimento da importância da biomassa e a eliminação de sua destruição e dependência crescente de energias renováveis ​​podem diminuir a marcha constante em direção a um futuro incerto, mas as medidas necessárias para interromper essa progressão terão de ser drásticas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presidente do STJ quer Lula cumprindo pena em presídio

Balanço: "Um PM é morto a cada 5 dias no Estado de SP".

O Mar das Ilusões