sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Brasil perdeu 1,8% de suas florestas entre 2010 e 2012, diz IBGE

Eu não consigo entender, como a presidência do Brasil anuncia meta de reduzir emissão de gases em 43% até 2030, sendo que ainda hoje não consegue impedir a supressão das florestas. Leiam sobre a redução de gases

O Brasil perdeu 1,8% de suas florestas entre 2010 e 2012, segundo dados divulgados na sexta-feira (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2010, o país tinha 3,26 milhões de quilômetros quadrados (km²) de vegetação florestal, enquanto em 2012, essa área caiu para 3,2 milhões de km², uma perda de quase 60 mil km² em apenas dois anos.
Nesses dois anos, houve a reposição de 204 km² de florestas, mas o desmatamento foi quase 300 vezes maior: 59,4 mil km². A perda da vegetação florestal deveu-se principalmente à expansão agrícola, que respondeu por 68% da redução das florestas no país. A expansão da pastagem plantada respondeu por outros 28% e a silvicultura por apenas 4%.
Segundo a pesquisa Mudanças na Cobertura e Uso da Terra do IBGE, no entanto, a principal perda de vegetação natural ocorreu nas pastagens naturais, que são áreas de vegetação campestre natural sujeitas a atividade pastoril de baixa intensidade e que perderam 7,8% de sua superfície nesse período.
A expansão agrícola também foi responsável por 65% do recuo das pastagens naturais. Outros 35% de perda foram provocados pela expansão da pastagem plantada.
As áreas de vegetação campestre alagada, como charcos e pântanos, reduziram-se em 5,9%, enquanto as de vegetação campestre, como savanas, perderam 2,7% de sua superfície.
Ao mesmo tempo, as áreas artificiais, que incluem áreas urbanas, cresceram 2,5%, as áreas agrícolas aumentaram em 8,6% e as pastagens plantadas avançaram 11,1%. A silvicultura teve crescimento de 4,6% nesses dois anos.
Por Vitor Abdala, da Agência Brasil, in EcoDebate, 28/09/2015

Comentário: muito em breve, os charcos, pântanos, lagoas, córregos e nascentes deixarão de existir. O custo ambiental será altíssimo e todos pagarão pela imprudência, negligência e omissão, pois não conseguem fazer cumprir o estabelecido nas leis dos crimes ambientais.

Nenhum comentário: