quarta-feira, 23 de julho de 2014

Amazônia Legal: Imazon detecta 843 quilômetros quadrados de desmatamento em junho de 2014


Em junho de 2014, o SAD detectou 843 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal com uma cobertura de nuvens de 30% do território. Isso representou um aumento de 358% em relação a junho de 2013 quando o desmatamento somou 184 quilômetros quadrados e a cobertura de nuvens foi de 12%.
O desmatamento acumulado no período de agosto de 2013 a junho de 2014, correspondendo aos onze primeiros meses do calendário atual de desmatamento, totalizou 1.690 quilômetros quadrados. Houve redução do desmatamento acumulado de 9% em relação ao período anterior (agosto de 2012 a junho de 2013) quando o desmatamento somou 1.855 quilômetros quadrados.
Em junho de 2014, a maioria (54%) do desmatamento ocorreu no Pará, seguido pelo Amazonas (16%), Rondônia (15%), Mato Grosso (14%) e Acre (1%).
As florestas degradadas somaram 48 quilômetros quadrados em junho de 2014. Em relação a junho de 2013 houve redução de 71% quando a degradação florestal somou 169 quilômetros quadrados. A maioria (44%) ocorreu no Pará, seguido por Rondônia (40%), Mato Grosso (13%) e Amazonas (2%).
A degradação florestal acumulada no período de agosto de 2013 a junho de 2014 totalizou 614 quilômetros quadrados. Em relação ao período anterior (agosto de 2012 a junho de 2013) houve redução de 58% quando a degradação florestal somou 1.462 quilômetros quadrados.
Fonseca, A., Martins, H., Soua Jr., C., & Veríssimo, A. 2014. Boletim Transparência Florestal da Amazônia Legal (junho de 2014) (p. 9). Belém: Imazon.

Boletim do Desmatamento (SAD) junho 2014

Baixe aqui o arquivo
Fonte: Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia
EcoDebate, 22/07/2014


Comentário: Caros amigos houvesse interesse do MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE em proteger as florestas da Amazônia Legal, certamente, teria impedido que 843 quilômetros fossem desmatados. Justificamos: “uma área desse tamanho não se desmata do dia para a noite”. Será que o governo não tem mínimo interesse em aplicar a lei? Ou: será que no estado do Amazonas não tem POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL, SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE, IBAMA, OSCIP's, ONG's e cidadãos e cidadãs que pudessem exercer cidadania para denunciar os crimes, afinal, proteger o meio ambiente não é dever de todos? E diante das dificuldades, ninguém conseguiria copiar as imagens de satélite? Por fim, será que a Amazônia está descartada ambientalmente? Será que na campanha eleitoral que se aproxima, os candidatos farão tremular a bandeira da natureza? Eu peço desculpas por tantas perguntas, infelizmente, inevitáveis. 

Nenhum comentário: