quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Oração de Um Ambientalista

SENHOR DEUS PAI TODO PODEROSO, POR FAVOR, INTERCEDA JUNTO AOS HOMENS DETENTORES DE PODERES NO SENTIDO DE QUE ESSES POSSAM, EQULIBRADAMENTE, PROTEGER O MEIO AMBIENTE ADVINDO DE SUA ORDEM MAIS SAGRADA. AMÉM!

SENHOR, eu me encontro frustrado, sabes por quê? Porque ao longo de quase três décadas interferi e me esforcei na busca pela proteção dos ingás, jenipapeiros, jatobás, jequitibás, figueiras brancas, ipês roxos, brancos e amarelos, aroeiras, angicos entre outras centenas de espécies que agora os nomes não vem a minha memória. SENHOR, ao longo de três décadas interferi junto aos pescadores profissionais e amadores, no sentido de que não praticassem a pesca junto as corredeiras, vez que esses locais eram ricos em oxigênio e ao mesmo tempo ricos em alimentos para os dourados, curimbatás, lambaris e piaparas.

SENHOR, o Rio Turvo e o Rio Preto são cursos d'água e deles dependem milhares de seres humanos e não humanos, mas todos criados quase que ao mesmo tempo lá nos primórdios apenas com uma ordem SUA. Na minha opinião, a ordem da cria vai contrariar a ordem do CRIADOR. Eu reconheço que o "desenvolvimento insustentável” requer mais energia elétrica, no entanto, a energia a ser produzida não compensará, haja vista o custo ambiental. Quando mencionoCUSTO AMBIENTAL, esse é mensurável sim, no entanto, vou ficar torcendo para que os técnicos tenham em mente a extinção da flora e fauna já mencionadas acima em face da inundação dos lagos com áreas que correspondem a 2,2 e 5,7 quilômetros quadrados. Obs.: atentem para a profundidade média, num lago será de cinco e no outro de oito metros - reflitam: nessa região predomina o plantio de cana-de-açúcar, onde a conservação do solo é relevante, no entanto, ainda assim é grande a quantidade de resíduos (solo) transportados pelas águas das chuvas; com relação a essa questão podemos vislumbrar assoreamento precoce das áreas inundadas, logo os empreendimentos teriam vida curta mesmo utilizando turbinas do tipo BULBO. Obs.: certa vez observei os efeitos do assoreamento nos reservatórios de Água Vermelha, Marimbondos, Porto Colômbia e Promissão, onde os lagos são bem mais extensos e com médias de profundidades também maiores.

Nos períodos de chuvas, os Rios Turvo e Preto transportam enormes quantidades de matéria orgânica (vegetação aquática – aguapés e alecrins), no meu entendimento seria obstáculo ao dinâmico funcionamento da máquina geradora de energia elétrica.

SENHOR, eu estive a pensar, isto é, fosse eu, prefeito de algum desses municípios banhados pelos rios Turvo e Preto, envidaria esforços junto ao Ministério do Turismo no sentido de buscar subsídios para a implantação de hotéis e pousadas. Dessa forma, atenderia a demanda do emprego e renda, bem como preservaria tudo aquilo que VOSSA DIVINDADE nos deixou de presente. SENHOR PERDOAI-VOS, ELES, PROVAVELMENTE, NÃO SABEM O QUE FAZEM, HAJA VISTA NÃO TEREM LIDO A “AGENDA 21 E NEM MESMO O ARTIGO 225 DA CF. AMÉM!

Um comentário:

izabel.vespa disse...

Parabéns pela oração!