terça-feira, 11 de maio de 2010

Hospital Ecológico

Hospital ecológico

Renato Braz de Araujo   

Assim como as indústrias, as instituições de saúde geram grandes quantidades de lixo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil produz aproximadamente 240 mil toneladas de resíduos por dia, sendo 4 mil toneladas apenas pelos serviços de saúde. Esses resíduos são constituídos de lixo comum (papel, restos de jardim, restos de comida de refeitórios e cozinhas), resíduos infectantes ou de risco biológico (gaze, curativos, luvas, agulhas, sangue, órgãos e tecidos removidos, meios de cultura e animais utilizados em testes) e resíduos especiais (químicos, farmacêuticos e radioativos). No ano 2000, segundo levantamento realizado pelo IBGE, somente 14% dos municípios brasileiros tratavam de forma adequada seus resíduos dos serviços de saúde. Após esse levantamento, o tratamento passou a ser regulamentado no país pela Resolução nº 306 de dezembro de 2004 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Resolução nº 358 de abril de 2005 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Ambas as resoluções exigem que toda a instituição de atenção à saúde, humana ou animal, tenha um plano de gerenciamento com o acompanhamento desde a produção até a disposição final de todos os resíduos produzidos pelo estabelecimento, visando reduzir seu impacto ao meio ambiente e à população em geral.

No Estado de São Paulo alguns hospitais dão bons exemplos, como sistema de tratamento e reaproveitamento da água do Hospital Unimed de Sorocaba e o plano de gerenciamento de resíduos comuns (papel, plástico e óleo de cozinha) do Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo, que chega a coletar 2.850 litros de óleo saturado ao ano. Cada litro de óleo que deixa de ir para o esgoto evita que milhares de litros de água sejam contaminados. Nesse hospital outras medidas têm gerado economia, como a instalação de torneiras com fechamento automático que reduziu em 40% os gastos com água. No Hospital Geral de Pirajussara, em Taboão da Serra, todo resíduo sólido reciclável (papel, plástico, vidro e metais) é recolhido e encaminhado para empresas credenciadas que os transformam em novos produtos. Em Rio Preto, o Hospital de Base conquistou em outubro de 2009 o Prêmio “Hospital Amigo do Meio Ambiente”, promovido pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, que busca reconhecer ações realizadas que favoreçam a qualidade ambiental. No HB vem sendo desenvolvido o projeto “Sustentabilidade com qualidade”, que tem como objetivo principal a reciclagem de materiais como papel, papelão, alumínio, cobre, plástico, estrados de madeira e galões da lavanderia. Cerca de 10 toneladas desses resíduos são recolhidos e vendidos para empresas de reciclagem, rendendo à instituição aproximadamente R$ 1,5 mil mensais que são revertidos ao próprio hospital. Considerando a rede hospitalar existente em nossa cidade e região, iniciativas como essa deveriam ser amplamente divulgadas e implantadas. Além disso, vale ressaltar que a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde pode ser obtida por meio da ecoeficiência, conceito que sugere a utilização mais eficiente de materiais e energia, a fim de reduzir custos econômicos e impactos ambientais.

Artigo publicado na seção Opinião do jornal Diário da Região, São José do Rio Preto, SP,
em 11/05/2010.

Dados do autor:
Renato Braz de Araujo
Biólogo pelo Ibilce/Unesp, mestre e doutor em Aquicultura pela Unesp/Jaboticabal (renatobrazaraujo@ig.com.br

Um comentário:

Jorge Gerônimo Hipólito disse...

Professor Renato, a sociedade alcança estágio, onde os gestores em geral devem desenvolver papel preponderante no contexto ambiental. Na verdade não podemos mais fugir das responsabilidades, pois, fugir ou fazer vistas grossas, simplesmente, provocaria o desmoronamento das estruturas. O meio ambiente preservado é a garantia de continuidade a qualquer empreendimento. Concluindo, eu quero parabenizá-lo pelo artigo, bem como a todos aqueles em que o senhor deu ênfase por conta do esmero demonstrado com relação à saúde.