quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Racional e Irracional



      
Tempos atrás, eu conversava com alunos de uma escola sobre as dificuldades que se enfrenta quando da mudança de comportamento. O início da nossa conversa decorreu exatamente no momento em que um aluno jogava copo plástico ao chão. Todos olharam para mim, pois, eu havia encerrado a palestra a instantes.

Um dos alunos disse: a palestra não atingiu a sua expectativa?
Eu respondi: você jogaria o copo ao chão?
Aluno: não, eu jogaria bem ali no cesto para materiais plásticos.
Isso é o que conta, na verdade já sabemos que a maioria dos humanos tem o conhecimento, no entanto, não tem a consciência e é isso que difere você do outro.

A conversa continuou e comentamos sobre o Reino Hominal, onde exercemos o nosso pensamento e o livre arbítrio. Esse, talvez, pudesse nos levar ao fim, uma vez que nós humanos, mormente, somos desprovidos de bom senso, por exemplo, a exploração desmesurada dos reinos mineral, vegetal e animal. Ora, chegará o momento em que não mais será possível produzir alimentos.

E você me perguntaria: o que faremos?
Eu responderia: anjos não precisam de alimentos.
Anjos?
Sim, provavelmente, esse seja para os humanos o reinicio do caminho da vida, do contrário não faria sentido tamanha desobediência aos princípios de uma sociedade "organizada".

Reflitam comigo sobre o que segue abaixo.

Certa vez, na década de noventa - Século XX, policiais militares ambientais faziam patrulhamento de rotina na região de São José do Rio Preto. Nessas ocasiões, os policiais utilizam as estradas comuns a todos, bem como aquelas que as interligam, pois, assim, aumenta a probabilidade de se encontrar irregularidades ambientais. Essas, muitas das vezes são feitas de modo sorrateiro, onde a intenção busca ludibriar a legislação e fiscalização.

Pois bem, considerando a rotina, policiais se tornam conhecedores, por exemplo, das reservas florestais obrigatórias, uma vez que as observam sempre. Por conta disso detectaram que numa dessas reservas, algumas árvores vistas de longe apresentavam aspectos doentios. A curiosidade fez os protetores do meio ambiente adentrarem a reserva florestal para assim conferirem a causa, ou a doença.

Ocasionalmente, alguns sitiantes e fazendeiros anelam o tronco das árvores, com o tempo elas morrem, pois, o anelamento funciona como se um torniquete fosse e isso interrompe a circulação dos nutrientes. Mas, não foi isso que encontraram, na verdade havia algumas perfurações nos troncos das árvores, algumas doentes e outras já mortas, essas perfurações diagonalmente de cima para baixo. Diante das irregularidades fizeram contato com o fazendeiro a respeito das árvores e receberam a justificativa, ou seja, o que ocorria se devia a ação das brocas.

A UNESP ajudou a desvendar o que de fato ocorria, constataram tratar-se de perfurações feitas pelo homem e com ferramentas do tipo arco de pua. As árvores adoeceram e morreram por causa do veneno depositado nas perfurações. As brocas, dessa vez estavam inocentes. Infelizmente, depois dessa ocorrência muitas outras foram detectadas e isso deixou demonstrado que o homem é racional, mas, dependendo do interesse se comporta de modo irracional, pois produz o próprio prejuízo e faz de conta que não sabia de nada. Aliás, esse argumento do tipo, "eu não sabia" já está virando moda no Brasil.

Concluindo, quando no final do ciclo hominal, onde humanos se transformarão em anjos restará saber, anjos do bem ou do mal?

2 comentários:

joaozinho disse...

E companheiro, apesar de estar na inatividade, sempre reavivando as causas que o motivou a sempre defender o nosso meio ambiente, sempre maltratado e degradado por aqueles que estão preocupados somente no bem estar momentâneo. Parabéns, e que você sirva sempre de exemplo aos mais novos, onde eu também me incluo.

Rogerio Saraiva disse...

Jorge, tenho a mesma perplexidade que a sua.

Acredito num homem como está descrito em Genesis, que existiu para que podesse dar nomes aos animais do Jardim!

Apesar do simbolismo todo, não deixa de ser real para mim esse compromisso!

Enquanto não se livrar de dormências do intelecto continuará como anjo caido, em dor e sofrimento.

Existe uma imagem, ate representado por obras em roma, do Deus Mitra sacrificando o Touro Primordial. Junto a esse Touro temos do lado esquerdo uma Serpente e do lado direito um Lobo. Respectivamente podendo ser visto como as ilusões do pensamentos, e as ilusões das emoções.

No caso mencionado, é o homem que vive na ilusões da emoção. Vive o que lhe agrada, e não intenta que provoca sua própria destruição.

Com Ferro fere, com Ferro será ferido!

Abraços Fraternais.