quinta-feira, 2 de abril de 2009

SERES DE MARTE OBSERVAM SANTA CATARINA


Num certo momento, nós marcianos, assistíamos a bordo de nossa nave a movimentação da vida na terra. A nave planava silenciosa e nós víamos os oceanos, os desertos, as geleiras e as florestas. Os rios azuis eram destaque na paisagem. De repente, a nave fez uma curva elíptica e notamos um imenso clarão vermelho que cobria o norte de um país conhecido por Brasil, era a floresta amazônica queimando. Mesmo não pertencendo ao planeta terra sentíamos frustração imensa, pois notávamos que o ali a morte avançava sem piedade.
Nós tínhamos conhecimento de que muitos humanos brasileiros lutam para proteger as florestas e que muitos outros tentam devastá-la. Mudamos nossa direção e rapidamente sobrevoamos outra região brasileira. Diga-se de passagem, região lindíssima, fantástica. Percebíamos que havia florestas, rios e montanhas, mas parte dos rios e montanhas se encontrava prejudicados. Nós sabíamos que ali ocorreram chuvas torrenciais e que montanhas desmoronaram e soterraram parte de vilarejos, indústrias, escolas e que os rios transbordaram e viraram um verdadeiro lamaçal. Nós também ficamos sabendo que muitas pessoas morreram, algumas desapareceram e que muitas lágrimas rolaram dos olhos de gente simples que, mormente, não tem a quem recorrer.
Nós também ficamos sabendo que milhares de brasileiros foram solidários e enviaram ajuda aos irmãos catarinenses. Daqui de cima imaginávamos o quão imenso foi o sofrimento. Porém, chegou-nos a informação de que tudo isso poderia ter sido evitado, ou seja, bastaria apenas aplicar a legislação ambiental em vigor quando fosse detectada a intenção em desrespeitá-la. Na verdade, se tivessem aplicado a educação ambiental não seria preciso nem aplicar a lei, pois humanos educados antecipam e evitam a degradação ambiental. Todavia, a educação ambiental não deve ser aplicada apenas as crianças, pois enquanto elas aprendem os adultos desaprendem. Justificamos: Os comentários pelo cosmos afora davam conta de que toda a catástrofe ocorrera em face do desrespeito ao meio ambiente. Mas, o problema meus irmãos terráqueos é que justo agora que os catarinenses estavam conseguindo se recuperar dos prejuízos, nos chega uma informação bombástica. Senão, vejamos.
A Assembléia Legislativa de Santa Catarina aprovou na noite de hoje um novo Código Ambiental que diminui a área de preservação determinada pelo Código Ambiental Brasileiro.
Dentre as principais mudanças está a redução da área de proteção das matas ciliares, às margens dos rios, de 30 para 5 metros. No caso das nascentes fluviais, a área cai de 50 para 10 metros. O novo Código foi aprovado por 31 deputados dos 38 presentes no plenário. Os agricultores vibraram com a aprovação do Projeto de Lei 238/2008, que seguirá agora para o governador do Estado Luiz Henrique da Silveira, que deve sancionar a legislação em 30 dias. Matéria de Júlio Castro, da Agencia Estado.
Nós marcianos lamentamos, mas nos parece que o fato de milhares de desalojados, mais de uma centena de óbitos e dois desaparecidos não foram suficientes para sensibilizar os corações dos representantes no legislativo. A aprovação de um novo código ambiental no Estado de Santa Catarina avança na contramão de direção e frustrará a maioria do povo do Brasil. Mas, como dizem os humanos, a esperança é a última que morre. Sendo assim, nós de marte, vamos torcer para que o governo do estado e chefe do executivo catarinense seja sensato e mostre a todos que a vida ainda merece respeito.
A nossa manifestação decorre da solicitação de um terráqueo que tem um blog e, segundo ele, não adianta mais a manifestação do povo. Ainda disse que mantém esperança nos seres aqui de marte, uma vez que provavelmente, os marcianos já viveram iguaiszinhos aos terráqueos e hoje vivem num planeta vermelho, mas que um dia que já foi azul. Ele pediu também para que lembrássemos que aí na terra, uma lei estadual jamais se sobrepõe a lei federal. Nesse sentido alertamos o ministério público para que impetre Ação Direta de Inconstitucionalidade. Concluindo: daqui de cima estaremos vigilantes, portanto, Adeus!

Um comentário:

Túlio César disse...

A sociedade catarinense jamais poderá admitir que seus representantes levem adiante tamanha incongruência. Reajam! o futuro desse Estado que orgulha a nação Brasileira está em sério risco. Já não bastaram os estragos causados pelas últimas cheias, fruto de uma política ambiental equivocada? com a palavra o bravo povo barriga verde que com certeza não assistirá passivamente esse absurdo triunfar.