segunda-feira, 20 de abril de 2009

SALÁRIO MÍNIMO

Jean-Batiste Debret Índios atravessando Riacho
(O caçador de escravos)
 http://pt.wikipedia.org/wiki/


Você se considera rico?

Sim!

Bem, nesse caso você tem condição de caminhar com as próprias pernas, ou seja, basta administrar o que tem, pois, possivelmente, não haverá problemas, uma vez que tudo depende do seu comportamento.

Você se considera pobre?

Sim!

Bem, nesse caso você não tem condição de caminhar com as próprias pernas, ou seja, não será possível administrar o que não tem, pois, possivelmente, haverá problemas, uma vez que a melhoria da sua qualidade de vida não depende de você e muito menos do seu comportamento.

Ora, o acima exposto mostra situações adversas e demonstra que dificilmente um pobre se tornará rico. De fato é isso mesmo até porque para o pobre melhorar qualidade de vida dependerá de políticas publicas a ele direcionadas.

Por exemplo, o salário mínimo teria que se elevar até o final de 2009 para R$ 1.000,00. Com essa atitude o governo elevaria em 100% o poder de compra da maioria do povo brasileiro. Assim, automaticamente, aumentaria a produção de alimentos, móveis, imóveis, eletroeletrônicos, veículos automotores de duas e quatro rodas etc.

Paralelamente, e na mesma proporção aumentaria as vagas de emprego, pois, haveria necessidade de se atender a demanda. Alguns que sempre torcem pelo touro se apresentariam contrários a idéia. Talvez, por alimentarem a idéia de que estariam abrindo mão do seu percentual de lucros. Ledo engano, nessa circunstância, os ricos ficariam mais ricos e os pobres ficariam menos pobres. Vamos acreditar na possibilidade, pois quem sabe se de repente, do governo resolve ousar ao ponto.

No mesmo contexto alguém diria: ah, mas o problema maior refletiria no equilíbrio da previdência social; eu responderia que isso poderia ser resolvido, bastaria direcionar e compartilhar recursos de outros órgãos, isto é, em princípio a prioridade deveria ser a previdência.

 Avante governo brasileiro, pise no acelerador, pois se não for assim ficaremos a comer poeira e na rabeira, por exemplo, do governo chileno. No Chile, o salário mínimo já alcança o patamar equivalente a R$ 2.000,00.

O Chile tem uma área de 756.950 km² e ainda tem o Deserto do Atacama (o mais árido do planeta) com 200 km de extensão.

O Brasil tem uma área de 8.514.876,599 km², não tem deserto, mas tem a Floresta Amazônica com 3,6 milhões de km² e mais o pantanal e o cerrado. O Brasil se posiciona entre os maiores produtores de carne, grãos e energia limpa (renovável) e está em amplo desenvolvimento, no entanto, continua a oferecer um salário mínimo que, indiretamente, escraviza aqueles que o recebe, pois o valor não atende as necessidades básicas o que configuraria no maior orgulho de qualquer chefe de família brasileira (pobre). Não esqueçamos, o período de escravidão ocorreu até 1.888 e ali foi decretado o seu fim, hoje, não podemos mais aceitar situações análogas. O que fazer?

Na minha opinião aumentar o valor do salário mínimo e, assim, possibilitar orgulho a milhões de homens bons, pacíficos, crentes em DEUS e na possibilidade de que o próximo governo sempre será o melhor.

Tudo isso sustentado na esperança e na boa fé.

A minha reflexão está sendo motivada pela premente necessidade da melhoria da qualidade de vida do povo brasileiro e se deve também ao fato do governo dar publicidade para um salário mínimo de apenas R$ 506,00 a partir de 2.010.

Concluindo: talvez, poucos ganhem muito a custa  de muitos que ganham pouco.

Nenhum comentário: